ACESSO A INFORMAÇÃO

BRASIL TRANSPARÊNTE

Dados da entidade
Planejamento Orçamentário
Receitas
Despesas
Licitações
Diárias e Passagens
RGF e RREO
Folha de Pagamento
Contas Públicas
Convênios
Controle Patrimonial
Verbas e Suprimentos
e-SIC

MESA DIRETORA

Cecilia Cáceres
Presidente (PL)
Ramão Waldir Ribas de Araujo
Vice Presidente (PP)
Renato Viana de Almeida
1° Secretário (DEM)
Luis Ramão Franco Pires
2° Secretário (PSD)

VEREADORES

Geisycléia Marques da Silva
(MDB)
Agnaldo M. da Silva Oliveira
(MDB)
Adriano Pereira Brum
(PTB)
Rosário Congro Flores Filho(PSB)
Elio Custodio Lopes
(Patriota)

NOSSA CIDADE

História

 Antonio João teve inicio com a chegada de Eugênio Penzo no Rio     Grande do Sul, em 1900, vindo de Gênova (Itália).
Decidido a mudar sua vida, pegou sua carreta com juntas de boi e veio para Ponta Porã, onde conheceu Dona Carolina Wider, casou-se e teve 12 filhos. Eugênio Penzo resolveu migrar juntamente com sua família em uma área fechada por cobertura vegetal em busca de terras. Estas terras eram devolutas, onde qualquer um poderia tomar posse e com um tempo requeria as pessoas requeria as terras do governo. 
Em 1936, Eugênio Penzo conseguiu tomar posse de uma gleba de terras, essa Gleba chamava-se cabeceira dos Bugres, que era localizado perto da Antiga colônia dos Dourados.
O pioneiro para a criação do município foi Eugênio Penzo que havia adquirido terras do Estado de Mato Grosso, uma área de 5.329 hectares, no dia três de dezembro de 1936, lavrada em ata publica, tendo como interventor Federal Júlio Stubing Muller.  
Eugênio Penzo ao requerer as terras foi logo abrindo picadas e dividindo lotes com cercas de arames para ceder para as pessoas que estivessem interesse em trabalharem sob a forma de cooperativa. Nestes lotes eram plantado arroz, milhos, feijão, amendoim, batata doce, cana de açúcar, banana, e café.
O café era vendido em São Paulo, o meio de transporte utilizado para transportar as mercadorias era uma carreta puxada por juntas de bois, esta viagem durava três meses. Chegando em São Paulo o produto era vendido para os comerciantes. Enquanto suas esposas ficavam trabalhando nas lavouras, com limpezas e plantio de rama de mandioca, milho etc. 
 Com a chegada de novos moradores em busca de terras, o local foi ficando mais povoado, com esse povoamento, resolveram criar o distrito de Eugênio Penzo, cuja idéia foi do deputado estadual Agapto de Paula Boeira, devido Eugênio Penzo ser o primeiro morador chegar no local. O distrito de Eugênio Penzo foi criado pela Lei nº 2142 de 24 / 03 / 64.
Com o crescimento da população e o desenvolvimento da cidade, a comunidade precisou de serviço como: escola, cartório, comércio, açougue, vendedores de combustível etc. Para atender os vários gêneros, desde o básico até os mais complementares.
A primeira escola construída foi em 1945, chamava-se Grupo Escolar Aral Moreira, sendo os primeiros professores a trabalharem na escola o professor Enrique Vieira, Tides Almeida e Izidio Marques.
O primeiro destacamento militar para segurança da colônia foi comandado pelo 1° tenente da cavalaria Orlando Sapucaia, e o sub Sargento Gratulino,  que era responsável pelas prisões dos delinqüentes, onde os presos eram colocados em buracos e cobertos com toras de madeiras devido à falta de local  para colocar os presos.
O distrito de Eugênio Penzo passa a chamar Município de Antonio João, criado pela Lei nº 2142 em 18 de março de 1964, entra em vigor a partir desta data publica. Onde foi dado o nome de Antonio João em homenagem ao grande herói Tenente de cavalaria Antônio João Ribeiro, que lutou na guerra do Paraguai para defender a soberania nacional ele foi um dos maiores heróis da guerra do Paraguai. Que se se destacou pela participação na guerra do Paraguai.
 
Fonte: ROSA CLÉIA PEREIRA BORGES, Geógrafa. 
Contato
Seu Nome
Deixe sua mensagem

ACESSOS

LINKS